Luis Tristán Toledo, 1585 – 1624), Pentecostes : Museu de Belas Artes, Bucareste, Romênia

Por Thais Rocholi

Começando com uma verdade básica, como cristã, vejo os dons espirituais como aquilo que Deus fez em mim para  moldar minha perspectiva de vida e dar estímulos às minhas palavras e ações. Quando procuramos os dons que Deus nos deu, ficamos mais conscientes das necessidades que Cristo deseja  suprir por meio deles. Então somos movidos a ministrar na vida de outras pessoas através de nosso ministério e manifestação do Espírito de Deus, o que não é feito por esforço, nem por mera capacidade ou pura engenhosidade humana, mas com a máxima eficácia e mínimo cansaço.

É importante que se considere que temperamentos, cultura e tempo de maturidade são diferentes de pessoa para pessoa, apesar de que não é incomum haver identificação com características comuns. Num coração presunçoso encontramos um mal-entendido sobre a essência da profecia. Você consegue imaginar que esse mal-entendido nasce da observação da cultura carismática? Sim, o mal-entendido acontece quando se percebe que a “profecia” é entregue como a arte de proclamar e não a arte de permanecer na presença de Deus. Não basta ter o dom para proclamar na hora que se bem deseja, mas em permanecer com as mãos limpas diante de Deus.

Em 1 Samuel 9-10 encontramos o relato da unção de Saul como rei. Deus já havia revelado a Samuel que Saul seria o primeiro rei de Israel, além de que iria se aproximar dele ao procurar as jumentas perdidas. Quando Saul encontra Samuel, antes de abrir a boca, Samuel fala sobre suas jumentas perdidas e convida Saul para que passe a noite em sua casa, afim de que ele receba a unção de seu reinado apenas ao amanhecer.

Por que Samuel pediu para que Saul esperasse? Permita-me contar que foi simplesmente porque esse profeta se colocou na presença de Deus por Saul na madrugada. Ele queria ter a certeza de que só diria as palavras certas.  

Mas vamos refletir sobre as características de um profeta!

Quais são as características de um profeta?

Assuma o seguinte, o profeta tem a habilidade de aplicar a Palavra de Deus a uma situação de tal modo que se possa refletir em erros para que os relacionamentos sejam restaurados. Seria uma mensagem oportuna entregue para alguém. Os profetas podem ser considerados as “trombetas” do Corpo de Cristo que soam o alarme diante do pecado e da transigência, pois só assim a verdade é revelada e a comunhão com Deus é restaurada.

Você pode pensar na expressão de Moisés serena quando de forma estimulante reflete sobre a bem-aventurança da presença do Espírito em sua vida: “Quem dera que todo o povo do Senhor fosse profeta, que o Senhor pusesse seu Espírito sobre eles!” (Números 11:29).

Como você provavelmente já sabe, o começo da realização do sonho de Moisés começou no dia de Pentecostes, quando o Espírito Santo fluiu na igreja que estava nascendo em Jerusalém e levou muitos a falarem em línguas as “grandiosidades de Deus”. Lembre-se que Pedro quando foi inspirado pelo Espírito fez a seguinte interpretação desse fenômeno:

Isto é o que foi dito pelo profeta Joel: “E nos últimos dias será, diz Deus, que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, e vossos jovens terão visões , e os vossos velhos terão sonhos; sim, e sobre os meus servos e as minhas servas naqueles dias derramarei o meu Espírito, e eles profetizarão …” (Atos 2:16-18 citando Joel 2:28- 29)

A igreja de Cristo é edificada de várias formas pela profecia que acentua sua importância para essa época. A igreja precisa se ater às palavras de conforto e segurança, palavras de súplica, palavras de exortação e admoestação, palavras de exposição e correção, pois a sujeição quanto a isso é designada pelo Espírito afim de trazer e manter a renovação no Corpo de Cristo.

É surpreendente ver que Pedro aplica a expressão de línguas no Pentecostes como uma variedade do dom profético. As Escrituras do Novo Testamento deixam claro que o Espírito é um dom universal para a igreja, e que a profecia é o dom característico do Espírito. O Apóstolo Paulo indicou que o dom de profecia era para todo cristão: “Pois todos vocês podem profetizar um por um…” (1 Coríntios 14:31; veja também os versículos 5, 24). Bem, um bom entendimento é uma poderosa maneira de definir nosso estado de espírito. Se você é o tipo de pessoa que se preocupa e deseja novidade de vida, esta expectativa da universalidade da profecia entre o povo de Deus ressurge em nossas almas com vigor e esperança.

%d blogueiros gostam disto: