Las espigadoras, Jean-François Millet (1814-1875) – Museo d’Orsay, París.

Por Thais Rocholi

Um ano Shemitá acontece a cada sete anos, é um ano Sabático: o sétimo ano de uma sequência de sete anos. Até o último dia de um ano Shemitá, palavra hebraica que significa “deixar livre” ou “retirar-se”, Deus dá uma ordem para que haja perdão de dívidas uns dos outros. Quando perdoamos as dívidas uns dos outros, até o fim do ano Shemitá, temos mais liberdade em Deus e ficamos mais leves. No entanto, se do contrário, não houver perdão que vem com um arrependimento para Deus, há um grande juízo.

Os ciclos das nossas vidas possuem uma energia espiritual dinâmica e exclusiva em cada estação. Estamos começando o Shemitá de setembro de 2021 a setembro de 2022, um tempo para verificarmos a fonte de todos os males e nos arrependermos. Todas as tragédias que ocorrem na humanidade são consequências de erros dos nossos antepassados.

Para começar, decidi, portanto, estudar o Shemitá de 1973 dos EUA, durante o conflito mais emblemático do período da Guerra Fria, foi o marco mais humilhante da história militar norte-americana, o que culminou na crise do petróleo. No mesmo ano, foi aprovada a lei do aborto internacional, após uma guerra jurídica que vinha desde os anos de 1970.

É curioso que a ideia da construção do World Trade Center começou em 1945, simplesmente porque altas torres simbolizam poder. Os EUA com todo o seu aparato faustuoso, sempre desejou mostrar poderio através das Torres Gêmeas que denotam poder e força,  e, assim, foi o início da sua construção em 1966, no ano de Shemitá. Esse período marcou o ano de ascensão dos EUA como potência mundial, e como resposta para as outras nações, concluiu a construção das Torres Gêmeas em  1973. Um outro marco mais recente que teve um impacto muito grande no mundo foi o ataque do 11 de setembro de 2001, culminando na queda dos prédios no ano de Shemitá.

Contamos semana de anos e jubileus desde os tempos primórdios de Adão, isso porque Deus conta o tempo a partir de lá. Essa lei divina, que Deus estabeleceu com Israel, não está restrita somente ao povo judeu, já que diz respeito ao mundo todo.

Logo, Deus interage com o mundo dessa forma. Analisando que durante o Shemitá do ano de 1776 os EUA declararam sua independência, o que ocorreu foi que apenas em 1789 os três poderes se completaram. Vamos analisar o discurso de George Whashington em 30 de abril de 1789 quando reuniu o povo para dedicar o novo governo à santa proteção e bênção do Altíssimo: “os sorrisos propícios do céu jamais poderão ser esperados por uma nação que desconsidera as regras eternas da ordem do que é correto que o próprio céu ordenou”.   

Nesse dia, ele fez uma convocação da igreja que ficava ao lado do terreno para que orasse entregando toda a nação americana nas mãos de Deus, suplicando por proteção e bênção divina durante o marco do Shemitá.

Hoje a capital dos EUA é Whashington, mas em 1789 era Nova Iorque. O terreno onde George Whashington fez a oferta de consagração da nação a Deus, suplicando “os sorrisos do céu”, enquanto a nação fosse fiel às regras de Deus era o marco zero, onde construíram as Torres Gêmeas. Toda nação que se opõe às regras de Deus, aos princípios e a Verdade que vem dEle, não recebe as bênçãos dos céus.  A igreja que fez a oração, permaneceu ao lado e se multiplicou no mesmo local. Mesmo com a queda das torres, a igreja não sofreu abalo durante o impacto do atentado do 11 de setembro de 2001.

No dia seguinte, dia 12 de setembro de 2001, o congresso americano cheio de soberba convocou uma assembleia para dar uma resposta nacional, não demorando muito para mencionar o texto de Isaías 12:10, dentro de um contexto não muito agradável quando lemos o início de Isaías 9:10.

O significado do texto aponta para um juízo de Deus e não como promessa de bênçãos para que se levantem depois da queda. Eles próprios passaram a se reconhecer como objetos desse texto. Dentro do contexto de Israel, vemos que eles iriam fazer a reconstrução com pedras lavradas. Em hebraico, a palavra pedra é Gaziyth, tem como significado pedra talhada, pedra cortada ou escavada em rocha de montanha.

Três anos depois, julho de 2004 nos EUA, eles cortam uma pedra de uma montanha, fazendo um bloco retangular para levar ao local do marco zero. Essa pedra foi denominada de “Pedra da Liberdade”. Já se deduzia que este seria o primeiro passo para reconstrução da torre. Com o coração duro e resistente, escreveram uma mensagem que levou a cabo qualquer ataque. O governador de Nova Iorque em seu discurso falou: “Hoje nós herdeiros daquele revolucionário espírito de desafio, colocamos esta pedra angular”.

Esse problema da pandemia tem uma relação muito grande com o que tem acontecido nos EUA também. Quando a Babilônia começa a cercar Israel, e como resultado passa “a assediá-la”, por si só, é uma catástrofe que deve ser combatida.

Quando nos voltamos para a Bíblia, a falta de arrependimento do povo judeu causou todas as calamidades posteriores, e por este motivo devemos atribuir e evocar um sentido mais profundo para aquilo que Deus quer fazer. Os EUA foi o país mais afetado pela Covid, se compararmos toda essa crise mundial. Basta observar Nova Iorque, que não se arrependeu de nenhum de seus feitos. Em 9 de agosto de 2015, ano de Shemitá, fizeram projeções de deuses estranhos nos edifícios.  Não houve arrependimento, portanto não há remissão de pecados.

Dia 7 de setembro de 2022 o Brasil irá completar 200 anos de independência e nossa liberdade de expressão hoje tem sido ameaçada e não apenas isso, mas a Constituição Federal Brasileira está por um agravo de ser rasgada. Esse é o motivo de muitos de nós irmos às ruas no dia 7 de setembro desse ano para nos mobilizar contra a censura das redes sociais, que trabalham no centro de resistência a tudo que diz respeito aos cristãos.

Não basta se sujeitar às regras dos sistemas midiáticos quando nos cadastramos. No entanto, se defendermos os princípios, a Vida, a Verdade e a nossa Constituição Federal Brasileira, sofremos censura por todos os lados. Isso porque os valores ali contidos têm sido constantemente desrespeitados, como já vem acontecendo em muitos países, seja face à legalização de drogas, aborto até o dia do nascimento com o lema criminoso “abortos seguros, mas poucos abortos”, a soltura de ladrões que assaltaram o bolso dos contribuintes, terroristas governando países, manipulação da cabeça da juventude contra as bases da família e sabe mais o que vier pela frente.

E se você  acha que não tem nada haver com isso, saiba que até a liberdade que você tem de decidir o que seus filhos podem ou não aprender sofre ameaça. Como disse Ronald Reagan: “A liberdade nunca está a mais do que uma geração de sua extinção. Não a transmitimos aos nossos filhos pelo sangue. Devemos lutar por ela, protegê-la, e entregá-la a eles para que façam o mesmo”.

Você vai continuar em silêncio ou seremos omissos ao perigo da ditadura?

Leia mais sobre o Shemitá desse ano aqui!

%d blogueiros gostam disto: