tv
Imagem da internet.

Por Thais Oliveira

Pessoas sábias sabem que ver televisão não é uma boa opção, por mais que o assunto abordado seja atraente.  Em meu último artigo publicado à uma semana, falei sobre “Cultura e Identidade”, falei sobre como se define uma cultura, bem como o desenvolvimento humano e o enobrecimento das nossas maneiras de pensar.

Tive a ideia de escrever mais sobre o assunto, pois muitos de vocês me responderam positivamente, então aqui estou eu, mais uma vez com o tema.

Como você que me acompanha sabe, tenho uma posição bem definida e tudo o que eu escrevo é realmente aquilo que eu acredito e adoto em minha visão de mundo.

A cultura  tem  vários  significados, pode ser um sinônimo de erudição ou um substantivo de  ser uma pessoa culta e  isso  significa também a busca pelo conhecimento, demonstrando seu refinamento social.

Há quem considere a cultura como tudo aquilo que está por trás dos costumes e  das  atitudes.  Vale mencionar que  devido às atitudes  que são transmitidas pela televisão, muitas pessoas são motivadas a agregar em suas vidas valores  e  formas culturais daquilo que passa na TV. E  ao repetir o comportamento são influenciados  com  suas  propagandas,  programas dentro de  uma comunicação  unilateral,  anterior  a  TV  Digital.

Obviamente, não sou a única a afirmar, mas as pessoas que assistem televisão têm mais desinteresse na vida política e mais interesse em entretenimento, o que em geral não são capazes de gerar uma reflexão, embora tais pessoas acompanhem os noticiários.

A televisão produz comunicação em série para atingir um grande  número  de  indivíduos. Numa  visão  de fim de mundo, há uma transformação da cultura em mercadoria para nivelar as massas.

Seria ingênuo pensar que o poder nos deixe com liberdade de expressão. A mídia é a principal ferramenta dessa liberdade e a televisão é hoje, de longe, a mais popular.  Um objeto de propaganda e manipulação em que as informações entregues aos brasileiros são, portanto, estritamente controladas, mesmo que a censura não esteja mais na agenda.

Assim, o mundo se transforma numa grande rede na qual as trocas simbólicas remetem vários sentidos e a intensidade com que a mídia interfere na sociedade gera características que formam identidades.

Não é de hoje que muita gente tem curiosidade sobre o que fazem astros e estrelas da mídia e nunca vi tantas pessoas interessadas em ser como um desses famosos.

Fofocas, intrigas, intimidade… Não é de estranhar que tudo é publicado. Não só na televisão, mas também na internet para quem desejar conferir.

Para o semiólogo francês François Jost autor do livro “Seis lições sobre a televisão”, a televisão é a câmera registradora das aspirações da sociedade que passa a evoluir mais ou menos no mesmo ritmo que esta.

Os  brasileiros são tratados como imbecis, ansiosos por informações irrelevantes e apaixonados pelo vácuo sideral de informações. Essa mediocridade se baseia num argumento mentiroso: as televisões dariam aos telespectadores o que eles pedem!!

Já perguntaram  para você o que você quer? Para muitas pessoas não importa e muitos até gostam porque se sentem importantes! Ah! Ainda bem que as pessoas mudam com o passar do tempo.

Mas deixando de lado essas ditaduras midiáticas, é absolutamente importante que entendamos que a verdadeira cultura não traz inteligência, mas pode tornar você melhor. Você pode ser muito inteligente e absolutamente estúpido e esnobe! Por outro lado, conheço um jardineiro que nunca saiu de sua cidade e que é um homem muito culto. A cultura verdadeira não está na moda, ela se distancia daquilo que os pequenos grupos dominantes valorizam. A cultura verdadeira é aquela que é de acordo com os valores nobres.

Tell me what media you like, I’ll tell you who you are!

By Thais Oliveira (Thais Rocholi)

Wise people know that watching television is not a good option, however attractive the subject is. In my last article published a week ago, I talked about “Culture and Identity”, I talked about how a culture is defined, as well as human development and the ennoblement of our ways of thinking.

I had the idea to write more about it, because many of you answered me positively, so here I am once again with the topic.

As you with me know, I have a well-defined position, and all I write is really what I believe and embrace in my worldview.

Culture has several meanings, it can be a synonym of scholarship or a noun of being a cultured person and this also means the search for knowledge, demonstrating its social refinement.

There are those who regard culture as all that is behind customs and attitudes. It is worth mentioning that due to the attitudes that are transmitted by television, many people are motivated to add in their lives values ​​and cultural forms of what happens on TV. And by repeating the behavior they are influenced by their advertisements, programs within unilateral communication, prior to Digital TV.

Obviously, I am not alone in saying this, but people who watch television have more disinterest in political life and more interest in entertainment, which they are generally not able to generate reflection, although such people follow the news.

Television produces serial communication to reach large numbers of individuals. In a world-end view, there is a transformation of culture into commodity to level the masses.

It would be naive to think that power leaves us with freedom of speech. The media is the main tool of this freedom and television is by far the most popular today. An object of advertising and manipulation in which the information delivered to Brazilians is, therefore, strictly controlled, even if censorship is no longer on the agenda.

Thus, the world becomes a large network in which symbolic exchanges refer to various meanings and the intensity with which the media interferes in society generates characteristics that form identities.

It’s not that many people are curious about what media stars do today, and I’ve never seen so many people interested in being like one of those famous.

Gossip, intrigue, intimacy … It is not surprising that everything is published. Not only on television, but also on the internet for those who want to check it out.

For the French semiologist François Jost, author of the book “Six lessons on television”, television is the camera that records the aspirations of society that starts to evolve at about the same pace as this one.

Brazilians are treated like imbeciles, eager for irrelevant information and passionate about the sidereal vacuum of information. This mediocrity is based on a lying argument: televisions would give viewers what they ask for !!

Have you ever been asked what you want? For many people it doesn’t matter and many even like it because they feel important! Ah! Thankfully, people change over time.

But setting aside these media dictatorships, it is absolutely important that we understand that true culture does not bring intelligence but can make you better. You can be very smart and absolutely stupid and snobbish! On the other hand, I know a gardener who never left his city and who is a very learned man. True culture is not in fashion, it distances itself from what small dominant groups value. True culture is one that is in accordance with noble values.

%d blogueiros gostam disto: