medusa-rubens
Medusa, lenda grega.

Por Thais Oliveira

Não se pode negar sentimentos negativos, pois são inerentes ao ser humano e causam danos terríveis, o que se deve fazer é confessar. Também não se deve rotular as pessoas, porque tais sentimentos experimentados já existiam muito antes  de surgirem em nós.

Há uma diferença entre inveja e ciúme, os dois conceitos se complementam em parte. Ciúme e inveja são reações da parte da insatisfação de uma pessoa que  nutre no coração esses sentimentos  numa situação voltada para a vida de outra pessoa, podendo ser em seu sentido material ou simbólico. O invejoso sempre deseja obter aquilo que é de posse do outro.

O desconforto no coração invejoso pode ser despertado por falta de  amor, riqueza, felicidade ou mais triste ainda,  por falta de  um carro, um vestido ou um relógio…  ou até da sorte do invejado. Ocorre-me que com as mudanças nos ritmos de vida das pessoas e com as transições de trabalho para as redes sociais, nos adaptávamos de maneiras menos evasivas do que é hoje.

O sentimento do invejoso desperta prazer instantâneo pela derrota do outro. O ciúme quando aliançado à inveja possui efeito negativo de rivalidade e questionamento sobre: “O  por quê  ele tem essas coisas ou atributos e  eu não?!” De fato, a inveja e o ciúme possuem em comum os levantamentos de questionamentos da legitimidade da distribuição de bens tangíveis e intangíveis: “por que não tenho, ou,  por que aquilo que tenho não tem aquela característica que o outro possui?”

Podemos muitas vezes querer que a coisa em questão aconteça com a gente ou esteja simplesmente sob nosso controle. Direito? Muitos podem até achar que possuem direitos e tentam descobrir como obtê-los!

O antropólogo George G. Foster aponta para o fato de que todas as sociedades tentam se proteger contra a insuportável inveja: o medo da inveja dos outros e o medo de nossa inveja. Quer saber? O desejo próprio.

Para o filósofo social Jean-Pierre Dupuy, a inveja é tão ruim, ao ponto do outro querer estar no lugar daquela pessoa, subtraindo do invejado suas coisas, isso é um problema tão grave que se  nega até a  própria existência.

Uma pessoa pode desejar as mesmas coisas que a outra, logo depois aquilo que a segunda pessoa possui, e então sem perceber começa a olhar para a terceira, etc… até que se forma uma guerra letal.

Como a crise é domada?

Não dando muita importância, pois através da vitimização, muitos se esquecem de que sua inveja pelas coisas estava na origem do caos, os invejosos se voltam contra o invejado  que é acusado de ter provocado a situação. Estes invejosos tentam restaurar a ordem e a coerência das coisas  cobrando essa pessoa de todo  “mal” que causou. Até que ela é absolutamente sacrificada!

%d blogueiros gostam disto: