O que é necessário para uma vida saudável? O que te fará feliz?

A felicidade abordada por Epicuro.

Por Thais Oliveira

Muitas vezes o ser humano se sente insatisfeito, de mau humor, afastado de família e amigos, de forma intuitiva culpa a profissão que escolheu e começa a procurar alternativas apesar dos altos custos que isso represente. Assim, precipitadamente passa a investir suas economias em coisas que acredita que ocupará a lacuna da infelicidade. No entanto, sua melancolia não abranda. Segundo Lucrécio, poeta epicurista, “somos como um homem doente ignorando as causas da sua enfermidade”.

Devemos interpretar nossas pulsões para evitar planos equivocados, que muitas vezes ao estarem no ápice dos nossos desejos, oferecem consequências desastrosas, acumulando-se frustrações. Quando colocamos a noção de prazer dentro de uma perspectiva histórica apontamos para peculiaridade dos filósofos que contrapõem a noção de prazer. Epicuro, conhecido como o filósofo do prazer, morava numa casa que não era luxuosa, comia uma comida simples, preferia água ao vinho e se contentava com uma alimentação que incluía pão, legumes e azeitonas.

Há uma peculiaridade expressa na forma de manutenção da vida que solicita um refreamento de desejos que Freud identifica como instinto do eu. No entanto, refrear o desejo justifica sua natureza inesgotável que pode, segundo Hobbes, conduzir o ser desejante à morte. Realizar tudo de forma irrestrita, impede a realização do desejo mais importante que é a sobrevivência!

Portanto, como a felicidade dentro da perspectiva de alcance impossível, reflitamos nos valores da vida…

Amizade: Ponderar e selecionar a companhia de pessoas que poderão ser nossos amigos é tão intenso quanto ter alguém que acompanhe a nossa existência. O que dizemos só passa a ter significado quando há alguém para nos entender.

Liberdade: A simplicidade não afeta o senso de status dos amigos que não julgam a si próprios pelos aspectos materiais.

Reflexão: Quando se é ansioso, verbalizar um problema reduz as indecisões, as confusões e perplexidades.

A vida possui sentido, mesmo quando nos parecem invisíveis e imperceptíveis. A felicidade não é para ser alcançada, mas uma constante para se viver, basta ver as razões, o significado de se existir. Quando descobrimos nossa missão no mundo, independente de seu resultado, somos mais felizes!

Pode Copi@r!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: